37ª Mostra de Cinema em SP – Filme #2 – A Garota e A Morte

Sabe quando você está assistindo um filme e fala “Okay, essa cena daria uma bela duma pintura”? Pois esse é o sentimento que ocorre durante quase todo o A Garota e a Morte. A fotografia, o mise-en-scène e as atuações são tão bem trabalhados e construídos que o resultado final é incrivelmente belo.

A história, no entanto, é até bem comum. Trata-se da história de amor entre um estudante russo de medicina e uma prostituta holandesa de um hotel que fica no meio do caminho. Mas a forma delicada, apesar de lenta, como ela vai se desenvolvendo cativa.

A parte final do filme merece um parágrafo à parte. Aqui a questão da “cena como pintura” se eleva à última potência, como no momento em que o doutor está de joelhos no quarto empoeirado, com as cortinas balançando com o vento. A iluminação daquele momento cria uma experiência quase etérea para o que está acontecendo. Fora que a decisão de tratar todas as aparições da Elise em reflexos foi genial.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s